(...)


Acabou o tempo em que escrevi por ti, para ti, sobre ti.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Que faço eu no meio da multidão? Procuro um sorriso teu. Procuro um rosto semelhante ao que aparentas ter. Sinto o cheiro do amor que muitos casais transportam e vejo as lágrimas percorrerem o meu rosto. Vejo o nosso momento desenrolar-se a meus olhos como se o vivesse novamente.
Sem esperar ver a tua imagem diante dos meus olhos, sinto um toque frio no meu ombro, algo que me arrefece profundamente.
Sem esperar ver a tua imagem diante dos meus olhos, sinto um toque frio no meu ombro tocando-me delicadamente, é algo que me arrefece profundamente. Olho para trás e vejo-te com um belo sorriso no rosto, com um ar calmo mas ao mesmo tempo via-te um pouco nervoso e eu mesma sentia esse nervosismo.
Sentia o batimento do meu coração acelerado. Não fui capaz de libertar uma única palavra, tal como aconteceu contigo. Tudo o que imaginava naquela altura se tornou em algo completamente real.
Fixá-mos o olhar e ele mesmo falou por nós, ele mesmo transmitiu tudo o que sentiamos.
Passámos minutos naquela ausência de palavras.
Respirei fundo e não consegui evitar, beijei-te a face por uns segundos apenas. Tive medo da tua reacção, mas mostraste e conseguiste transmitir o lado calmo da situação, lançando-me um sorriso encantador e arrancando de mim um suspiro de aliviu. Depois daquele sorriso teu percebi que realmente estava completamente apaixonada por ti.
Permanece-mos novamente calados, sem nada para dizer e sem qualquer despedida fui-me embora com um sorriso enorme no rosto. Tinha perfeita coinsciência que havia algo a dizer e que depois deste dia seria dificil voltar a ver-te por isso insisti comigo própria, e caminhados alguns metros decidi voltar-me para trás e olhar-te novamente pronunciando o que faltava dizer e com todo o meu amor e corajem pronunciei algo que parecia ser encantador, Amo-te.
Ouviste isto com um ar de espanto apesar de já saberes que mais tarde ou mais cedo teria de o dizer. Aceitaste estas palavras sem retribuires com o que desejaria, eu também te amo, era algo que queria ouvir da tua boca mas serias incapaz de o dizer.
Olhei novamente para ti e gravei-te na minha memória, no meu albúm de recordações de uma vida.
Abracei-te e despedi-me de ti. Sentáste-te num banco que havia por perto e aí permaneceste. Diria eu que a pensar no que aconteceu. Deixei-te e continuei o caminho deixando marcas de eterna saudade. de repente olho para trás para verificar se ainda permanecias naquele banco mas já tinhas desaparecido dando lugar à mágoa como deste lugar ao sofrimente em mim.
Partiste, e agora, quando voltarei a ver-te?


Daniela Vieira

13 comentários:

  1. obrigada (:
    tens aqui um lindo texto $=

    ResponderEliminar
  2. Não fui eu que escrevi aquele querida, mas obrigada :$
    Adorei o teu blog, beijinhoos*

    ResponderEliminar
  3. Tens muito jeito Daniela...


    Parabens...

    bjs

    ResponderEliminar
  4. Oh, Daniela! Que treta, quase que me fizeste chorar! Está lindo, mesmo muito lindo!
    Os teus textos são sentidos até dizer já chega. Neste, em particular, as expectativas que tinhas e a forma como as viste desmoronar é de partir o coração! Mas é a forma como falas disso que torna o texto belo.
    Continua a escrever porque eu gosto e porque sei que tu também gostas de o fazer.
    *Beijos*Inês

    P.S.: O texto vai ter um final feliz, não vai? Porque acho que a personagem principal do texto o merece.

    ResponderEliminar
  5. Ola, querida!
    Como ja te disse, os teus textos estão muito bonitos!
    Continua a escrever vou estar atenta a todos os passas desta história.
    Beijinhos

    ResponderEliminar